Daciano da Costa

O Professor

Daciano da Costa ingressou como docente convidado do Departamento de Arquitectura da Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa em 1977. Fez a transição para a Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa, chegando ao topo da carreira em 1998, como Professor Catedrático Convidado, sendo distinguido com o grau de Doutor Honoris Causa pela Universidade Técnica de Lisboa (UTL). Concluiu os seus 25 anos de carreira académica como Professor Catedrático Convidado.

"Defendo que ensinar é um acto criativo."

Daciano da Costa, 1998.

Publicações Daciano da Costa

Professor

Começou por programar e lecionar a cadeira "Desenho II" no curso de Licenciatura em Arquitectura, tendo em vista a criação de opções especializadas em Arquitectura de Interiores e Design Industrial no período final da formação. No curso de licenciatura em Arquitectura do Design, criado em 1992 na Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa (FA-UTL), foi responsável pela elaboração e implementação do plano de estudos e dos programas das disciplinas fundamentais, assumindo também a orientação pedagógica dos docentes que as lecionaram. Jubilado em 2000, continuou a exercer as funções de coordenador desse curso. Foi um dos fundadores e coordenadores científicos do primeiro curso de Mestrado em Design da FA-UTL (2002) que esteve na génese do atual Doutoramento em Design da FA-UL.

Formado em Pintura pela Escola António Arroio (1943-1948) e pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa (1950-1961), Daciano da Costa abandonou uma carreira promissora nas artes plásticas para investir com convicção nas disciplinas do projecto. Colaborou com Frederico George, seu principal mestre, entre 1947 e 1959. Estabeleceu então ateliê próprio, a partir do qual desenvolveu uma carreira notável como projetista. Destacou-se no design para a indústria (sobretudo para a Metalúrgica da Longra, a partir de 1962) e no desenho de interiores públicos: Reitoria da Universidade de Lisboa (1960-1961), Biblioteca Nacional (1965-1968), edifício-sede da Fundação Calouste Gulbenkian (1966-1969), hotéis Madeira Hilton (1970-1971), Altis (1971-1974), Penta (1971-1975), Casino Park (1972-1984), Cento Cultural de Belém (1990-1992), Paços do Concelho de Lisboa (1997-1998), entre muitos outros.

No ensino, o seu testemunho foi passado a sucessivas gerações de arquitetos e designers, propondo-lhes o seu modo de entender o ambiente construído. Defendia a existência de uma unidade fundamental entre as diversas escalas do projecto – do território à cidade, da arquitectura ao objecto de uso –, fazendo a apologia de um património que lhes é comum: a "cultura do desenho", a racionalidade e o método. Entendia que todos os objectos participam na construção do ambiente humano e que estes apenas no seu contexto podem ganhar sentido, tanto nas suas dimensões físicas (o contexto construído) como nas suas dimensões culturais (o contexto socio-económico, o contexto histórico...). Ao mesmo tempo que reclamava essa herança ancestral partilhada, empenhou-se na afirmação e na defesa da autonomia do Design.

A inquietação permanente de Daciano da Costa, a sua capacidade para transformar os sinais desencontrados da realidade quotidiana em estímulos convergentes, a lucidez e inteligência com que encarava as adversidades para as converter em agentes positivos foram uma das grandes lições que nos deixou.

Please note, your browser is out of date.
For a good browsing experience we recommend using the latest version of Chrome, Firefox, Safari, Opera or Internet Explorer.